O Aero Clube de Braga dispõe de um aeródromo com uma pista pronta para receber aviões de recreio, de combate a fogos ou de passageiros até 25 lugares.

Dispõe de uma pista com extensão de 900 metros de comprimento por 23 de largura, um heliporto, um terceiro "taxiway" (via do aeródromo usada pelos veículos de apoio às descolagens e aterragens).

O aeródromo, que é equipamento único na aviação civil da região, nasceu do chamado "Campo de Aviação", designação ainda hoje inscrita no seu acesso principal.

Construído em terrenos agrícolas por interessados na aeronáutica, que então despontava em Portugal, o aeródromo foi inaugurado a 22 de Junho de 1929 com a aterragem de um avião militar monomotor "Junker-F13".

A história deste aeródromo bracarense confunde-se ao longo da sua história com a do Aero Clube de Braga, fundado por um grupo de entusiastas da aviação que então despontava no país e se iniciara em Braga em 1913 com a aterragem, junto ao Sameiro, de um pequeno avião francês pilotado por A. Salles.

A estrutura acolhe outros operadores, dedicados ao trabalho aéreo de combate a incêndios, Proteção Civil, a Associação de Pára-quedistas do Minho e também operadores individuais privados.